País completa ”década da formalização” em 2010, mostra Dieese/Seade

27 janeiro 15:45 2011

Com queda nas taxas de desemprego em todas as regiões pesquisadas, 2010 concluiu, de forma positiva, a ‘década da formalização’, segundo o economista Sérgio Mendonça, do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). ‘Muita gente que dizia que não ia ter mais emprego formal deveria vir a público e dizer o que aconteceu’, afirmou, observando que esse movimento ocorreu com mais força a partir de 2004.


Na média das sete regiões abrangidas pela Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED), da Fundação Seade de São Paulo e do Dieese, foram criadas 729 mil vagas com carteira em 2010. crescimento de 8,7% sobre o ano anterior. ‘A cada 10 empregos criados, de oito a nove são com carteira (assinada)’, lembrou Mendonça. A taxa média anual de desemprego foi de 11,9%, ante 14% em 2009. No caso da região metropolitana de São Paulo, responsável por quase metade do total, a taxa atingiu 11,9%, a menor da série histórica desde 1991 (11,7%).


Pela média anual, as sete áreas pesquisadas (Distrito Federal e regiões metropolitanas de Belo Horizonte, Fortaleza, Porto Alegre, Recife, Salvador e São Paulo) criaram 765 mil empregos em 2010 (alta de 4,1%), enquanto 347 mil pessoas ingressaram na População Economicamente Ativa (PEA, alta de 1,6%). Com isso, o número de desempregados caiu 13,8%, o correspondente a 418 mil a menos.
Apenas em dezembro, a taxa de desemprego caiu para 10,1%. Em comparação com igual mês de 2009, foram 232 mil pessoas a mais na PEA, 698 mil vagas criadas e 466 mil desempregados a menos. Em São Paulo, a taxa de dezembro também recuou para 10,1%, a menor para o mês desde 1990 (9,4%). No caso das sete regiões, a série histórica tem apenas dois anos, mas nas demais regiões as taxas também foram as menores dos últimos anos.


Segundo o coordenador de análise do Seade, Alexandre Loloian, a tendência é a de que as taxas de desemprego continuem caindo tanto pelo crescimento da economia como por fatores demográficos. O crescimento da PEA tem sido bem menor do que nas décadas anteriores, entre outros motivos pela redução da entrada de jovens no mercado. ‘A nossa transição demográfica está começando a se expressar nos indicadores do mercado de trabalho’, observou Loloian. ‘Aparentemente, não há muito espaço para que a PEA cresça mais. A tendência é de que o desemprego continue em queda’, pondera.


Sérgio Mendonça, do Dieese, lembrou ainda que a relação entre o crescimento da economia do emprego está muito elevada – para cada ponto de crescimento do PIB, há meio ponto de expansão do emprego. O que significa dizer que uma alta de 8% do PIB corresponderia a aproximadamente 4% de alta da ocupação. ‘Combinando crescimento da economia, essa elasticidade (PIB/emprego) e o aspecto demográfico, é quase certo que o desemprego continue caindo nos próximos anos’, afirmou o economista. E a expansão não se restringe à maior região metropolitana do país, acrescenta. ‘O que está acontecendo em São Paulo também está acontecendo em outras regiões, e até mais rapidamente. A expansão do emprego não é paulista.’


Na região metropolitana de Recife, por exemplo, a taxa média de desemprego caiu quase cinco pontos percentuais entre dezembro de 2009 (17,5%) e de 2010 (12,8%). Em Salvador, a queda superou três pontos (de 17% para 13,8%).


Dos 698 mil empregos criados em 12 meses, até dezembro, o destaque foi o setor de serviços, com 439 mil. A indústria abriu 190 mil vagas e o comércio, 84 mil. A maior alta percentual (7,3%) foi da construção civil, que criou 90 mil empregos. A indústria está em recuperação, mas ainda em nível pré-crise, disseram os técnicos.


Salários


O rendimento também mostrou resultados positivos. Em 12 meses, até novembro, a renda média dos ocupados (R$ 1.386) subiu 9,4%. A massa de rendimentos cresceu 13,6%, o que ajuda a explicar o crescimento sustentado pelo mercado interno. ‘É um dado favorável para segurar o crescimento à frente, por mais que a economia desacelere’, disse Mendonça.


Loloian destacou a necessidade de investir mais em infraestrutura e apontou as incertezas causadas pelo câmbio e pelos juros como questões em aberto. ‘Tudo indica que continuaremos crescendo. A dúvida é quantos empregos vamos exportar e quantos vamos criar aqui’, comentou o coordenador do Seade.


Loloian lembrou ainda que, apesar de o rendimento mostrar recuperação, ainda é inferior (no caso de São Paulo) ao registrado em 2000. A possibilidade de que o salário mínimo não tenha aumento real – caso seja mantido em R$ 540 como propõe o governo federal – pode ser ‘a grande novidade de 2011’, segundo Mendonça. ‘Isso deve afetar algumas regiões, como Recife, Salvador e Fortaleza. Em São Paulo, o efeito é menor.’


Ainda na região metropolitana de São Paulo, o tempo médio de procura por emprego em 2010 caiu para 34 semanas, três a menos do que no ano anterior. (Vitor Nuzzi)

  Categorias: