1º de Maio da CUT será no Vale do Anhangabaú

1º de Maio da CUT será no Vale do Anhangabaú
25 abril 10:31 2011 CUT-SP

Mart´nália, banda Ilê Ayê (Bahia), Rappin´Hood, Dog Murras (Angola), Chico César e Martinho da Vila estarão presentes

A CUT-SP vai comemorar o 1º de Maio – Dia do Trabalhador – deste ano com o evento “Brasil-África: fortalecendo a luta dos trabalhadores”, a ser realizado no período de 25 de abril a 1º de maio de 2011. A data será comemorada pela CUT/SP com várias atividades que incluem um seminário internacional, oficinas culturais, exposição de livros, obras de arte, exibição de filmes, apresentação de manifestações culturais afro-brasileiras, gastronomia e ato inter-religioso privilegiando as religiões de matriz africana.

Esses eventos culminarão com uma grande manifestação na data de 1º de Maio, que será realizada no Vale do Anhangabaú, no Centro, em São Paulo.

 “A proposta é ir além da tradicional confraternização entre os trabalhadores que, evidentemente, é importante. Mas dar um primeiro passo para a reflexão sobre nossa condição de país afro-descendente. Somamos, hoje, mais de 90 milhões de afro-descendentes, segundo dados do IBGE, e essa consciência ainda não está presente na totalidade de nossa população. Além disso, os países africanos, que estão na raiz de nossa origem, são pouco conhecidos em sua dimensão histórica, institucional, econômica, social e cultural”, afirma  Adi dos Santos Lima, presidente da CUT/SP.

Os países que participarão das comemorações do 1º de Maio são: Togo, Zimbábue, Nigéria, Senegal, Cabo Verde, Libéria, África do Sul, Gana, Benin, Angola, Moçambique, Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe, e Brasil.

É importante lembrar, ainda, que 2011 foi estabelecido pela Assembleia das Nações Unidas como o “Ano Internacional do Afrodescendente”, com o objetivo de “homenagear os povos de origem africana em reconhecimento à necessidade de se combater o racismo e as desigualdades econômicas e sociais. É também um reconhecimento pela enorme contribuição cultural e econômica dos descendentes de africanos em todo mundo”, diz o documento da ONU que oficializou  o tema.

O Brasil vem registrando muitos avanços na superação das desigualdades étnico-raciais, em especial em relação à população afro-descendente. Um passo importante foi a aprovação do Estatuto da Igualdade Racial no ano passado. Mas, ainda há um caminho longo a percorrer. Um exemplo são as estatísticas que colocam o jovem negro entre as principais vítimas da violência no país. De cada três pessoas assassinadas no Brasil, duas são negras, revela o Mapa da Violência 2011, elaborado pelo Instituto Sangari, com base nos dados do Ministério da Saúde.

A Lei 10.639/2003, que obriga o ensino da história geral da África e sua contribuição para a cultura brasileira nas escolas públicas e particulares do ensino médio e fundamental, ainda falta ser implementada, seja por falta de informação, interesse ou preconceito.

“Ao mesmo tempo, os países africanos tem sede de conhecimento sobre o Brasil e vêem com muito interesse o estreitamento de relações em vários campos de atividade. O Brasil tem hoje mais de 30 embaixadas e representações nos países africanos. Muitos desses países que enfrentaram situações de conflitos em passado recente as superaram, a exemplo do apartheid na África do Sul e guerras coloniais e  hoje aspiram ao desenvolvimento e a uma política voltada para o bem-estar das populações, passando pela organização dos trabalhadores e trabalhadoras”, observa Artur Henrique, presidente nacional da CUT.

“Os caminhos para a África são amplos e esses povos aspiram a uma cooperação solidária com nosso país e nossos trabalhadores. E é importante lembrar que a história das relações entre o Brasil e a África, embora tenha sido marcada em seu início pela diáspora e o tráfico de escravos, tem uma ancestralidade que ainda pouco conhecemos e é referenciada hoje por relações dinâmicas, principalmente econômicas e culturais que queremos estreitar, em especial com os trabalhadores desses países”, completa Adi.

Confira a programação completa do 1º de Maio da CUT Brasil-África

  • 25/04  – Lançamento do 1º de Maio e Abertura da Mostra de Cinema – Local Sindicato dos Químicos de São Paulo
  • 26/04 – Mostra de Cinema Brasil-África – Local Auditório APEOESP
  • 27/04 – Workshop Internacional – Local Museu Afrobrasil
  • 28/04 – Mostra de Cinema Brasil-África – Local Auditório Sindisaúde

Workshop Internacional – Local Museu Afrobrasil

Oficinas Culturais – Local Museu Afrobrasil

  • 29/04 – Seminário Sindical Internacional  “Desenvolvimento, sustentabilidade e inclusão social  – Os desafios da relação Sul-Sul” – Local Sesc Vila Mariana
  • 30/04 – Samba com Feijoada: Arlindo Cruz, Jorge Aragão, Diogo Nogueira, Leci Brandão e Marcinho do Cavaco.

Cortejos: Capoeira, Maculele, Moçambique, Jongo, Tambores do Vale

Escola de Samba Tom Maior

  • 01/05 – Shows: Mart´nália, banda Ilê Ayê (Bahia), Rappin´Hood, Dog Murras (Angola), Chico César e Martinho da Vila

Ato político sindical-social: Com sindicalistas e movimentos sociais do Brasil e da África.

Ato inter-religioso: Diversas confissões religiosas celebrarão juntas esta data internacional dos trabalhadores (as).

Ato cultural: Com a presença dos atores Celso Frateschi e Danny Glover.

Homenagens: Lula e Nelson Mandela

Atividades Simultâneas
– Exposições e Feiras
– Exposição fotográfica
– Exposição de esculturas e pinturas
– Feira de Livros
– Feira gastronômica
– Heróis de todo o mundo (vídeo com personagens afro-brasileiro,
fundamentais da nossa história)
– Desfile de roupas africanas
– Desfile de penteados Afro
– Exposição de tecidos

  Categorias: