Trabalhadores da Potencial lutam por PLR e Plano de Saúde melhores

06 maio 13:30 2011 Cecília Gomes

Os trabalhadores da Potencial rejeitaram por duas vezes a proposta da empresa e conseguiram reabrir a negociação para melhorar dois pontos da proposta: PLR e Plano de Saúde. A rodada foi marcada para esta sexta (06). Vale lembrar que a proposta econômica, com reajuste de 7,26%, já foi aprovada anteriormente, em assembleia realizada no dia 26 passado pelo Sinergia CUT.

A Potencial quis retirar a gratuidade do Plano de Saúde, o que desde o começo do processo de negociação desagradou a categoria. A última proposta apresentada pela empresa, previa um valor mínimo mensal de R$ 5 para quem ganha menos de 750. Até a quarta consulta anual, haveria isenção de pagamento da consulta. A partir da quinta, a taxa seria de R$ 5 a R$ 25 por consulta.

Nesta proposta o dependente teria um aumento de 26,89%. Os trabalhadores que já pagavam o valor de R$ 31,32 e receberem salário superior a R$ 850,01 terão reajuste de 30,9% e outros que pagavam os R$ 31,32 e receberem salário inferior R$ 850 terão uma redução de  34,5%.

PLR: Equiparação de valores
Na PLR os trabalhadores reivindicam equiparação dos valores, tomando como base os R$ 440 /ano, atualmente pago aos motoristas. A categoria rejeita também proposta de manutenção do bônus de R$ 25 para cada ano de trabalho limitado a seis anos (R$ 150), apresnetada na última proposta.

O valor total da PLR seria reajustado em 7,26%. A título de prêmio por assiduidade e comprometimento (para os trabalhadores que não tiveram faltas, ausências ou suspensão), caso haja sobra do montante global destinado a PLR 2011, a redistribuição de forma igualitária passaria de 40% para 60% desse valor retido. A data de pagamento passará de julho para novembro de 2011.

Também haveria a alteração no período de apuração (janeiro a outubro de 2011) sendo considerado os dois meses finais (novembro/dezembro)  como meta atingida. Além da exclusão dos motoristas, aprendizes, estagiários, a proposta exclui os trabalhadores que estiverem em período de experiência, ou seja, os novos admitidos em outubro de 2011.

A correção do valor individual de referência para cada trabalhador também seria em 7,26% (de R$ 185 p/ R$ 198,43).
Em 2010, segundo a empresa, 185 trabalhadores receberam PLR. Com a mudança de período de aferição, a expectativa é de aumentar para 250.

  Categorias: