Elektro tenta encerrar negociação com proposta nebulosa

Elektro tenta encerrar negociação com proposta nebulosa
06 julho 08:52 2012 Elias Aredes Jr.

Empresa faz última proposta e novamente tenta vincular proposta de ACT com a escala

O Sinergia CUT sempre caprichou em duas frentes para fazer a diferença na Campanha Salarial: disposição de avanço na mesa de negociação e mobilização dos trabalhadores nos locais de trabalho. Pena, mas a Elektro prefere caminhar na contramão da história, conforme ficou demonstrado na oitava rodada de negociação ocorrida nesta quinta (05), em Campinas.

De inicio, tudo parecia resolvido. Era apenas esperar um novo indice econômico e partir para as tratativas de assinatura de um novo Acordo Coletivo.

A Elektro conseguiu destruir toda a expectativa positiva e recolocou na mesa uma proposta nebulosa, cheia de pegadinhas e com disposição para confundir e iludir o trabalhador. Tudo para contentar a sua ânsia de lucrar e faturar em cima do esforço da categoria.

A mudança na escala de trabalho voltou novamente à cena. E de modo simples: se o Sinergia CUT aceitasse a proposta de mudança, seria encaminhada uma proposta de 6,2% nos salários e benefícios, além de reajuste de 8% para o Vale Alimentação, Vale Refeição e Cesta Básica. 

Como o Sinergia CUT preza pela coerência, a escala de trabalho não retornou à mesa de negociação e não será vinculada aos indices econômicos.

Para piorar o quadro, sem consultar o Sinergia CUT ou os sindicatos envolvidos, a empresa deu por encerrada a negociação.
Um absurdo que o Sinergia CUT combaterá por intermédio das mobilizações na base e pelas normas legais e conhecidas: assembléias em toda a base e encaminhamento para a rejeição desta proposta da empresa e greve  a partir do dia 10.
Os trabalhadores não querem abrir mão do direito de capricharem na Campanha Salarial e lutar pelas propostas que realmente interessam aos trabalhadores: reasjuste de 6,2% nos salários e benefícios; reajuste de 10% no Vale Alimentação, Vale Refeição e Cesta Básica e Garantia de pagamento da primeira parcela da PLR 2012 e continuidade do debate da PLR após o pagamento.

Além disso, os Sinergia CUT e os Sindicatos que participam da mesa de negociação querem um prazo de 90 dias para iniciar a discussão dos temas já inclusos na Cláusula 47 do ACT, com possibilidade de acrescentar  a escala de trabalho e outros assuntos vigentes do documento, como a reabertura do prazo de 90 dias para adesão ao PEA para os trabalhadores já aposentados ou em processo de aposentadoria.

Os trabalhadores querem manter o zelo e o capricho na Campanha Salarial. E espera que a empresa deixe o relaxo no passado.

  Categorias: