Eletrobrás: negociação cheia de dificuldade

16 maio 18:17 2013 Lílian Parise, com informações do CNE

A primeira rodada de negociação do CNE (Comando Nacional dos Eletricitários) com a direção da Eletrobrás deveria ter acontecido na última terça-feira (14). Mas o CNE informou à holding que não participa de nenhuma reunião de negociação até que a data de pagamento da PLR, aprovada na Assembleia Geral Ordinária em 30/04/13, seja definida. “Não vamos aceitar o uso desse item como moeda de troca em relação às negociações do nosso ACT”, afirmam os sindicalistas.

A Eletrobrás informou então que sua diretoria teria reunião nesta quinta-feira (16) e que a reunião do CIASE – com todos os diretores de gestão das empresas – está marcada para o próximo dia 20. Só depois desses dois encontros é que o CNE será informado da decisão final.

Se não houver resposta da holding, todos os sindicatos filiados ao CNE – Sinergia CUT, inclusive – realizam um ato nacional de protesto no próximo dia 21, em todos os locais de trabalho de todas as empresas, pelo não pagamento da PLR. Depois disso, se nada acontecer, os trabalhadores debatem em assembleias o plano de lutas que prevê uma paralisação nacional de 24 horas no próximo dia 27.

Sobre as negociações da PLR, o CNE divulgou a seguinte nota aos eletricitários:

“Eletrobrás não apresenta definição sobre PLR

A FNU e o CNE participaram no dia 14 de maio, no Rio de Janeiro, da primeira rodada de negociação do ACT 2013-2014. Mais uma vez os trabalhadores ficaram frustrados com a total falta de compromisso e objetividade do Sistema Eletrobrás, nenhum diretor da Holding sequer compareceu a negociação, e aqueles representantes que estiveram presentes nada responderam sobre o acordo, apenas fizeram uma apresentação de slides com a situação econômica e financeira da Eletrobrás.

Com relação à PLR, principal motivo da ida dos dirigentes sindicais a reunião, nada de concreto foi anunciado. O CNE recebeu a informação de que a direção da Holding se reunirá dia 16 e no dia 20 acontecerá reunião dos diretores administrativos para entre outros assuntos discutir a PLR. Essa postura de retardar uma decisão mostra mais uma vez o que temos afirmado, de que a Direção da Eletrobrás não assume sua posição de empresa estratégica para o país.

A reunião com a Holding foi improdutiva e o CNE através dos dirigentes sindicais se recusou a assinar o termo para estender o prazo de validade do ACT, pelo fato da redação ser dúbia, não trazendo segurança aos trabalhadores, diante disso, o Coletivo apresentou um texto alternativo. Vale lembrar que esta mesma direção da Eletrobrás rasgou o ACT 2012 ao descumprir a questão da periculosidade.

A Eletrobrás informou que na próxima semana estará oficializando o Plano de Incentivo ao Desligamento Voluntário. O CNE vai acompanhar com atenção, exigindo respeito ao direito dos trabalhadores.

Os eletricitários não suportam mais serem massacrados e discriminados, pois outras categorias nas empresas estatais começam suas negociações e tem os seus pleitos atendidos, entre eles o ganho real. As eleições de 2014 será um divisor de águas, caso o Governo continue sua guinada a direita, trabalhando pela privatização do setor elétrico, como fizeram os tucanos, vamos responder a altura.

No dia 21 serão realizadas assembleias de mobilização para discutir com os trabalhadores os rumos da negociação, por isso é fundamental a presença de cada companheiro e companheira dando a sua contribuição. No dia 23 o CNE fará reunião no STIUDF, às 14 horas, em Brasília, logo em seguida os trabalhadores farão um ato para protestar contra a forma com que vem sendo tratados pelo Governo Dilma.

No dia 24 de maio será realizado o VII ENOP, uma agenda permanente dos eletricitários, onde se discute temas estratégicos para os trabalhadores da área de operação. O CNE convoca todos os (as) companheiros (as) para participarem dessa semana de lutas para a categoria, que se inicia no dia 21 e prossegue dias 23 e 24 de maio. A hora é de luta, pois o que está em jogo não é somente o ACT, mas o futuro do setor elétrico nacional.

No ENOP estaremos discutindo o futuro da operação no Sistema Eletrobrás e a sua participação estratégica na campanha salarial. Vamos continuar na luta defendendo uma PLR justa, periculosidade sobre remuneração, liberdade e autonomia sindical.

O Governo é do PT, mas a gestão da Eletrobras é Tucana.

  Categorias: