CS 2013: CTEEP só quer reduzir direitos – parte 2

CS 2013: CTEEP só quer reduzir direitos – parte 2
05 junho 09:38 2013 Débora Piloni e Lílian Parise

Já na segunda rodada, transmissora não apresenta índice de reajuste e insiste em proposta indecente. Sindicato rebate impactos financeiros negativos e apresenta contraproposta

A segunda rodada de negociação entre Sinergia CUT e CTEEP aconteceu nesta terça (04), na Subestação de Bom Jardim. Assim como fez na primeira reunião, a empresa voltou à mesa com o “saco de maldades”: persistiu com a proposta anterior, que já havia sido rejeitada pelo Sindicato.

Com o objetivo de avançar no processo negocial, as entidades sindicais propuseram, então, levar os pontos da pauta da empresa para a Cláusula 42ª, para que tais itens sejam discutidos ao longo da vigência do novo ACT.  A exceção seria a PLR, que deverá ser discutida durante a CS.Quanto a essa sugestão dos sindicatos, a CTEEP não se manifestou, calando-se.

Nessa negociação, dentre as várias reivindicações dos trabalhadores, o Sindicato destacou a PLR adicional devido à renovação do contrato de concessão. E, referente aos três bilhões recebidos pela CTEEP por conta dos ativos não amortizados, o Sinergia CUT reivindicou a distribuição de 10% desse valor. Mais: o Sindicato solicitou também um crédido no valor total do VA/VR  por ocasião do aniversário de cada  trabalhador.

Intenção da CTEEP é redução de direitos
A primeira rodada de negociação aconteceu no último dia 28, quando a empresa repetiu a “choradeira” dos impactos negativos decorrentes da medida provisória 579 – atual Lei 12.783 – e apontando para a necessidade de a transmissora readequar suas finanças ao novo cenário que reduziu as tarifas aos consumidores.

O Sinergia CUT novamente rebateu os argumentos da transmissora e destacou que “o setor elétrico brasileiro ganhou muito dinheiro nos últimos anos, pois é o oitavo setor mais rentável do país.Sem falar de vários resultados que constam do balanço de 2012, demonstrando que a empresa obteve alto lucro, tem rentabilidade elevada, o que permitiu grandes somas de dinheiro para distribuição aos acionistas”.

A empresa apresentou uma proposta que deixa clara a intenção de redução de vários benefícios já conquistados e garantidos no atual ACT, incluindo PLR e pagamento do adicionalde periculosidade. Essa proposta foi rejeitada.

União e mobilização
Tanto a primeira quanto a segunda rodada entre o Sinergia CUT e a CTEEP demonstraram as dificuldades que certamente virão na Campanha Salarial 2013.
”Embora a empresa tenha tido altos lucros e grande rentabilidade em 2012, deixou claro que não quer atender às reivindicações dos trabalhadores. Ou seja, aos acionistas, tudo. Aos trabalhadores, nada.”, alerta a direção do Sindicato.

Exatamente por isso, o Sinergia CUT conclama os trabalhadores a manterem-se motivados e mobilizados, com objetivo claro de vitória nessa batalha que só está começando.

A próxima reunião de negociação está marcada para o dia 19, às 10h. Confira os principais itens da proposta reducionista da CTEEP:

  • Função Acessória: excluir cláusula e pagamento do ACT
  • Substituição de Trabalhador: excluir cláusula e pagamento do ACT
  • Auxílio Vale Refeição: excluir esse benefício para empregados com auxilio doença superior a 3 meses
  • Vale Cesta básica: excluir esse benefício para empregados com auxílio doença superior a 3 meses
  • Auxilio Previdenciário/complementação: até o 3º mês de afastamento complementação de 100%; do 4º ao 6º mês de afastamento, complementação de 50%; e a partir do 6º mês de afastamento sem complementação
  • Adicional de Periculosidade: aplicação dos critérios definidos pela Lei (cálculo sobre o salário nominal)
  • Política de Emprego: flexibilidade de 70 trabalhadores por ano de Acordo Coletivo, com redução do beneficio atual de 10 para 5 remunerações
  • Pagamento e compensação de Horas Extras: Técnico de Subestação (pagamento de todas as horas). Pagamento das horas extras realizadas em situações emergenciais
  • Horário Flexível: flexibilizar horário de trabalho da sede entre 7h30 e 17h30.
  • Liberação de Dirigentes Sindicais: liberação definitiva, quando aprovada, sem adicional de periculosidade e adicional de turno.
  • PLR 2013:  valor total para distribuição de R$ 934,5 mil
  • PLR 2014: empresa garante a negociação da PLR 2014 nos mesmos moldes da
  • PLR/2013 (indicadores, pesos e metas serão discutidos a partir de janeiro próximo)A proposta reducionista da CTEEP
  •  


  Categorias: