CS 2013: na Cesp, ao invés de negociação, só lamentos

CS 2013: na Cesp, ao invés de negociação, só lamentos
10 junho 09:00 2013 Elias Aredes Jr.

Os trabalhadores esperavam uma proposta decente. Receberam em troca apenas desculpas esfarrapadas e enrolação. Mobilização de duas horas nesta segunda-feira (10) é para avançar

Quando o Sinergia CUT foi convocado para a primeira rodada de negociação  da CESP, ocorrida na sexta (07), em São Paulo, tinha a esperança de que os trabalhadores receberiam uma proposta satisfatória. Afinal, o processo seria conduzido pelo presidente da CESP, Mauro Arce. Ou seja,  sem “intermediários”.

Foi o representante da empresa sentar na cadeira e começar a falar que a decepção ficou instalada no ambiente. Por um motivo: nenhuma proposta foi encaminhada.

Pior: o presidente da CESP usou a mesa de negociação e os trabalhadores como o cenário ideal para fazer uma terapia particular. E dá-lhe muro de lamentações! O primeiro lamento foi em relação ao processo de de regulamentação do setor. Por isso, na sua visão, não é possivel fazer gestão da empresa, devido as amarras colocadas pela Lei 12.783. Após a choradeira e as lamentações, a empresa informou que está compatibilizando as pautas dos diversos sindicatos que negociam com a CESP para que seja elaborada uma proposta pela Empresa.

Os dirigentes do Sinergia CUT foram claros em dizer que existe dinheiro na CESP. Basta verificar o balanço trimestral publicado recentemente para constatar os altos lucros que a empresa obteve no último período.

Por isso, além das questões econômicas, o Sinergia CUT quer a manutenção da cláusula de política de emprego e ampliação da vigência do Acordo Coletivo.

Plano de Lutas

O Sinergia CUT já decidiu propor um Plano de Luta aos trabalhadores que será deliberado em assembleias na próxima segunda (10). A decisão só será revertida se ocorrer a apresentação de uma proposta idêntica aos dos trabalhadores do Metrô (veja abaixo).

Nova rodada será realizada na próxima quarta-feira (12), às 15h30, em São Paulo. Os trabalhadores esperam que em pleno dia dos Namorados a empresa não dê um “fora” nas reivindicações da categoria.

Mobilização neles!
Nesta segunda(10), os trabalhadores da CESP participam de um protesto, em todos os locais de trabalho com o objetivo de demonstrar a insatisfação referente ao valor recebido da PRR. Não fique de fora!

Abaixo, a proposta do Metrô:

  • Reajuste de 5,37% + 2,5% de produtividade, totalizando 8%
  • Reajuste de 11,51% para o VR (vale-refeição), ficando em R$ 25,65 por dia (R$ 615,60 por mês)
  • Reajuste de 13,62% para o VA (vale-alimentação), de R$ 218,00 para R$ 247,69
  • Reajuste de 50% no auxílio-creche, que ficará em R$ 532,83
  • Empresa concederá uma 13ª cota de vale-alimentação no mês de dezembro de 2013
  • O Metrô fez o compromisso de implantar, em 1º de junho de 2013, o divisor 200 para jornada de trabalho de 40 horas semanais e o divisor 180 para jornada de trabalho de 36 horas semanais.
  Categorias: