CS 2013: NA CESP … VALEU A PRESSÃO!!!

CS 2013: NA CESP … VALEU A PRESSÃO!!!
27 junho 09:20 2013 Débora Piloni e Cecília Gomes

Diante da demonstração de união e da mobilização dos trabalhadores em toda a base do Sindicato, empresa recua e apresenta proposta. Agora, a decisão é dos trabalhadores!

Depois de sofrer grande pressão por parte dos trabalhadores nas assembleias e mobilizações dos últimos dias 10, 17 e estado de greve desde a última segunda (24), e de ser pressionada também pelas convincentes argumentações feitas pelos dirigentes do Sinergia CUT na mesa de negociação, a direção da Cesp, enfim, apresentou uma proposta. A terceira rodada aconteceu na quarta-feira (26).

Não há dúvida de que essa mudança de posicionamento foi devido à demonstração de luta da categoria. No dia 10 de junho a companheirada participou de uma mobilização atrasando a entrada em duas horas. Já no dia 17, os trabalhadores de todo interior de SP participaram do protesto de 24 horas para pressionar avanços na mesa de negociação.

O Sinergia CUT, então, entrou em contato direto com o presidente da Cesp cobrando novamente uma resposta para as reivindicações apresentadas na mesa de negociação.

Sem a resposta, novas assembleias foram realizadas no dia 20 ratificando a continuidade do plano de lutas, com greve por tempo indeterminado a partir do dia 24. O Sinergia CUT, então, enviou carta à empresa e notificou à população sobre a implementação da greve.

Ocorreu que, percebendo a força da união e a disposição de luta dos trabalhadores da Cesp, na sexta-feira (21), a empresa procurou o Sindicato e propôs uma rodada de negociação nesta quarta (26).
Provando que a categoria prioriza a mesa de negociação para se chegar a um acordo, os trabalhadores aprovaram em assembleias transformar a greve em “estado de greve” aguardando o resultado da rodada.

O caminho percorrido
Vale ressaltar que o governo do Estado traçou uma política nos acordos coletivos de 2013  com as empresas estatais, como Metro e Sabesp, caracterizada por um aumento real de 2,5% frente à Fipe para os salários e ampliação dos benefícios, com clara intenção de fechar rapidamente o ACT. Porém, isso não havia se repetido com a Cesp.

Desde antes do início efetivo da Campanha Salarial dos trabalhadores da Cesp, o Sinergia CUT antevia que os negociadores da empresa utilizariam das recentes mudanças na regulamentação do setor para rebaixar o Acordo dos trabalhadores.

“Não estávamos errados, a Cesp tentou utilizar a ‘ausência’ de regulamentação (palavras dela) e da não renovação das Concessões de Três Irmãos, Jupiá e Ilha Solteira, para deixar os trabalhadores no limbo, não atendendo suas reivindicações”, lembrou a direção do Sindicato. Mas, nas reuniões ocorridas, o Sinergia CUT contrapôs com fatos jogando o argumento da geradora por terra.

Agora, diante da proposta apresentada, o Sindicato avalia que as reivindicações foram atendidas e vai encaminhá-la para aprovação dos trabalhadores nas assembleias. Trabalho decente é com a gente!

A PROPOSTA

  • Reajuste de salários: 7,74% (Fipe 5,11% + 2,5% de aumento real)
  • Auxilio Alimentação/cesta básica: 14,28% de R$ 700,00 para R$ 800,00
  • Aumentar o limite salarial para ter direito à Cesta Básica: em 12% passando o teto de R$ 4.646,90 para R$ 5.204,52
  • Gratificação de Férias: passa de R$ 1.781,30 para R$ 1.919,17 (7,74%)
  • Auxilio Creche: 7,92% (R$ 454,00 para R$ 490,00)
  • Base mensal: 200 horas (40 horas semanais)
  • Redução dos dias para recebimento do salário substituição: de 10 para 5
  • Verba de PCS: passa de R$ 160.000,00 para R$ 175.000,00 (9,37%)
  • Vigência do Acordo:1 ano
  • PRR: já enviou ao CODEC. Aguarda retorno do órgão para agendar reunião com o Sindicato para tratar sobre as metas. Sindicato solicita retirada das metas da usina Três Irmãos, já que a concessão não foi renovada pelo governo estadual
  • Rateio da FCESP: manter a atual política de rateio. A Cesp incluiu pai e mãe como dependentes, o que resulta em custo maior que nas demais empresas)
  • Aplicabilidade da NR 10: cancelar a atual escala de operador isolado, cumprindo a NR 10.
  • Política de Emprego: manutenção da atual cláusula.
  • Manutenção das demais cláusulas
  Categorias: