CS 2013: na AES Tietê… INCOERÊNCIA!

CS 2013: na AES Tietê… INCOERÊNCIA!
12 agosto 09:10 2013 Nice Bulhões e Débora Piloni

Aos acionistas tudo. Na mesa, para os trabalhadores, nada. Próxima rodada acontece na quinta-feira, dia 15

Enquanto a empresa beneficiou os acionistas com 108% do lucro obtido em 2012, na mesa de negociação da campanha salarial 2013, a proposta apresentada pela AES Tietê não refletiu o perfil da melhor empresa do setor em rentabilidade, ganhadora de diversos prêmios, alguns com o trabalhador como autor principal. Passados mais de 60 dias da database, a 4ª rodada aconteceu dia 7, em São Paulo, quando a empresa apresentou uma proposta, que foi rejeitada.

O Sinergia CUT realizará assembleias referendando a posição que já tomou na mesa de negociação, pois, apesar de avanços pontuais em questões “sociais”, os quesitos econômicos estão aquém do cenário que foi apresentado por outras empresas.

Desta forma, o  Sindicato irá para a mesa de negociação no próximo dia 15 levando a insatisfação dos trabalhadores para alterar a condição colocada até então, buscando melhorias nos itens econômicos e naqueles que já apresentaram avanços mais a direção do Sindicato entende que é possível avançar ainda mais.

Confira abaixo a proposta que foi rejeitada:

  • Reajuste de salários e benefícios: 6,0%
  • Condições e satisfação no trabalho: criar um comitê de análise com o objetivo de avaliar periodicamente a satisfação dos trabalhadores nos locais de trabalho e debater todas as considerações apresentadas a este comitê.
  • Troca de turno: tão logo seja aprovado o ACT, a empresa enviará um comunicado interno aos gestores e trabalhadores informando-os que, por força da legislação, a troca de turno sem gerar hora extra será limitada a 5 minutos, todo período que exceder este tempo será obrigatoriamente hora extra. O trabalhador poderá justificar a necessidade da extensão do tempo para a troca de turno sem que haja analise por parte da empresa quanto à relevância ou não da referida extensão.
  • 40 horas semanais: discussão em até 90 dias após a assinatura do ACT.
  • Horas extras em curso e treinamento:  retirar do ACT a tabela de horas constante na clausula 26ª (Horas extras e controle por exceção), parágrafo 6°: “Sempre que os trabalhadores forem convocados para a realização de cursos ou treinamentos fora de sua jornada de trabalho, as horas despendidas para sua locomoção deverão ser consideradas como horas extras, respeitando-se o desconto do tempo habitual gasto para deslocamento conforme a tabela”. 
  • Pagamento de hora extra em emergência: considerar como hora extra o horário em que o trabalhador sair de sua residência, para prestar atendimento de emergência/urgência, quando o mesmo estiver fora de sua jornada de trabalho.
  • Compensação de horas extras (2ª a 6ª feira): a compensação de horas extras realizadas de 2ª a 6ª feira serão realizadas na proporção de 1h trabalhada por 1,55 h folga.
  • Função Acessória: não atende a rividnicação do Sindicato, mantendo a posição da reunião anterior
  • PCS: imediatamente após a assinatura do ACT, a empresa fará uma apresentação às entidades sindicais da atual política de PCS.
  • Política de transferência: reconhece a existência de dois programas de política de transferência, no entanto, não concorda em alterar a cláusula do ACT. Somente corrigirá o valor pelo mesmo reajuste do salário.
  • PLR: será paga uma antecipação de R$ 4 mil na 1ª semana de setembro próximo.
  • Bolsa de Estudos: aumentará 05 bolsas para graduação e 05 para idiomas e reajustará os atuais valores pela mesma correção de salário.
  • Vigência: dois anos (2015)
  • Política de emprego: mantém os atuais 300 postos de trabalho.
  • Implante dentário: mantém a proposta anterior de dois implantes por grupo familiar com a participação de 50% do trabalhador.
  Categorias: