CTEEP: pendências em discussão

02 abril 11:00 2014 Débora Piloni

O Sinergia CUT enviou carta à CTEEP solicitando reunião para tratar sobre várias pendências que vêm se arrastando há mais de 90 dias sem efetiva solução, e de outras recentes  que vêm impactando diretamente o cotidiano dos trabalhadores. Essa reunião aconteceu no último dia 20 de março. Confira o que foi discutido e o que a empresa alegou de cada ponto levantado:

Transporte: o Sindicato repudiou o fato de a empresa não ter convocado reunião, conforme prometido, para discutir as alterações no transporte dos trabalhadores. De forma unilateral, a transmissora excluiu o transporte fretado no horário de almoço dos trabalhadores. Durante a discussão, a empresa informou que não irá voltar atrás em sua decisão, uma vez que, segundo ela, já foram realizadas as adequações necessárias nos refeitórios em todas as localidades que sofreram a mudança. O Sindicato irá tomar todas as medidas judiciais cabíveis.

Escala de revezamento: o Sinergia CUT cobrou da empresa a desregulamentação de jornada que vem ocorrendo em alguns setores da empresa, como no PA. Segundo a CTEEP a mesma não tem conhecimento de alteração de jornada (escalas) e que estaria se informando sobre este assunto para depois dar um retorno. Caso não cumpra esta condição, o Sindicato buscará novo diálogo, sem descartar a possibilidade de ação na justiça sobre o assunto.

Inversão de jornada: apesar de a empresa ter afirmado em reuniões anteriores que irá manter a inversão de jornada, pois segundo ela a legislação garante esta prática, não existe nenhuma orientação por parte do RH para que os trabalhadores saiam às 12hs e retornem às 24hs. Caso a empresa não dê um fim nessa precarização ainda nos próximos dias, o Sindicato tomará as providências cabíveis.

Asseio e limpeza: o Sinergia CUT cobrou a limpeza dos locais de trabalho que é feito por empresas contratadas. “A impressão que se dá é que a área de Recursos Humanos da CTEEP não está preocupada com as condições do local de trabalho, e desta forma fica adiando a solução do problema”, afirma a direção do Sindicato.

Poda de árvore: os eletricistas de linha de transmissão vêm realizando poda de árvore, uma tarefa que, na visão do Sindicato, não é da responsabilidade dessa categoria. O Sinergia CUT ressalta que o representante dos trabalhadores no Conselho de Administração já efetuou essa denuncia à direção da empresa, mas nenhuma providência foi tomada. Se permanecer essa falta de diálogo e a efetiva solução para o problema, a direção do Sindicato acionará o Ministério Publico do Trabalho, para efetuar denúncia de dupla função, que acarreta precarização das condições de trabalho.

Periculosidade: o Sindicato denunciou que a empresa não está pagando o adicional de periculosidade aos trabalhadores recém-admitidos em seus primeiros 90 dias de contrato. A área de RH afirmou que esta condição somente ocorre quando o referido trabalhador não tem necessidade de ir a campo e que, em  caso contrário, o pagamento é efetuado imediatamente. Dessa forma, o Sinergia CUT solicitou que seja levantado onde existe essa condição para que se possa solicitar à CTEEP a regularização imediata, inclusive com pagamento retroativo.

  Categorias: