CS 2014: Sindicato rejeita proposta da Potencial para buscar mais avanços em prol dos trabalhadores

CS 2014: Sindicato rejeita proposta da Potencial para buscar mais avanços em prol dos trabalhadores
09 abril 17:14 2014 Nice Bulhões

A Potencial apresentou proposta de reajuste de 7%  sobre salários e piso na 4ª rodada de negociação, ocorrida no último dia 8. Mas, a empresa avançou pouco em relação aos outros itens da pauta. Em alguns casos, como a Participação nos Lucros e Resultados (PLR), regrediu, além de querer manter uma meta de assiduidade para retirar a cesta básica, demonstrando um total desrespeito aos trabalhadores.

O Sinergia CUT rejeitou a proposta, pois reivindica avanços, em destaque para o Aumento Real e para a PLR. Além disto, o Sindicato se manifestou contrário à prática da empresa de atrelar a assiduidade do trabalhador para receber a cesta básica. Segue primeiramente abaixo a proposta da empresa e, em seguida, o plano de luta do Sindicato, caso a empresa não atenda às reivindicações dos trabalhadores na 5ª rodada, a ser realizada amanhã (10 de abril). Após a reunião, o Sindicato realiza assembleia deliberativa com os trabalhadores.

A proposta
Reajuste: 7% (ICV Dieese + AR 0,23%) sobre salários e piso 
PLR: empresa quer alterar o texto da cláusula do ACT vigente, com o objetivo de congelar o valor da PLR em R$ 46.650,00, limitando o valor de R$ 380,00 por trabalhador. E ainda, caso a empresa aumente o quadro efetivo, o valor poderá diminuir ainda mais.
PCS (Plano de Cargos e Salários): não concede
Hora-Extra (HE): incluir redação sobre Descanso Semanal Remunerado (DSR) como reflexo das HEs, sendo que o Sindicato deverá apresentar uma proposta na próxima reunião.
Auxílio Educação: a empresa se comprometeu em apresentar uma proposta com critérios de utilização para o beneficio.
AMH (Assistência Médico Hospitalar): mantém a participação de 50% da empresa e 50% por parte do trabalhador e altera o texto dos parágrafos da cláusula 13ª do ACT vigente, conforme segue:
Parágrafo Primeiro: mensalidade do plano de saúde de R$ 102,72 para R$ 109,82, reajustado anualmente a partir de abril de cada ano por índice definido pela Agência Nacional de Saúde (ANS) e mediante negociação e apresentação de planilhas à empresa Potencial.
Parágrafo Segundo: Será mantido o desconto de 10% no valor mensal para os trabalhadores a partir do 2º ano completado na empresa, limitando-se o valor mínimo, reajustando o valor de R$ 6,18 para R$ 6,61 no custo do plano de saúde.
Parágrafo Quarto: Corrige a tabela de Coparticipação na consulta ou pronto-atendimento vigente no ACT

Plano de luta
Caso a empresa não atenda às reivindicações dos trabalhadores na rodada de negociação do dia 10/04, o Sinergia CUT, com o objetivo de forçar a empresa a avançar na proposta, deliberará um plano de luta conforme segue:
14/04 – 2 horas de mobilização
22/04 – meio período de mobilização

A EMPRESA NÃO DÁ NADA… A GENTE QUE CONQUISTA!

  Categorias: