CS 2014: Sinergia CUT cobra da Cesp abertura das negociações salariais

CS 2014: Sinergia CUT cobra da Cesp abertura das negociações salariais
12 junho 11:10 2014 Débora Piloni

Presidente interino afirma ser difícil atender reivindicações dos trabalhadores. Mobilização à vista!

Já no 12º dia do mês da data-base dos trabalhadores da CESP, a direção da empresa sequer agendou a abertura das negociações da Campanha Salarial 2014. Esse foi o principal motivo do Sinergia CUT para solicitar uma reunião com a estatal, o que ocorreu na última quarta (11).

Representando a Cesp, além da gerente de Recursos Humanos Dubravka Sidonija Suto,  compareceu Almir Fernando Martins, que assumiu interinamente a presidência da empresa em abril passado, quando o ex-presidente da estatal Mauro Arce deixou a Cesp para assumir a Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos do Estado de São Paulo. “Ou seja, já tem dois meses que essa empresa está sem um presidente de fato. É assim que o governo Alckimin trata a Cesp: com grande descaso”, ressalta a direção do Sinergia CUT.

As reivindicações
Na última quarta-feira (11), logo no início da reunião, o Sindicato cobrou de Almir Martins a abertura imediata das negociações salariais, uma vez que a data-base da categoria é 01 de junho. Também aproveitou a ocasião para expor as três principais reivindicações dos trabalhadores da Cesp:

– Reajuste de 8,7%, mesmo índice concedido aos trabalhadores do Metrô (Companhia do Metropolitano de São Paulo). “A Cesp é uma empresa estatal, assim como o Metrô. Não pode haver diferenças no tratamento”, alegou a direção do Sindicato.

– Exclusão da cláusula de rotatividade do ACT, que prevê rotatividade de 2,5%. “Queremos a garantia de emprego para 100% do quadro de trabalhadores”, afirmou o Sinergia CUT.

– Vigência de 04 anos para o ACT. “Em 2015 haverá a licitação das usinas de Ilha Solteira e Jupiá. Os trabalhadores precisam de garantias”, concluiu o dirigente sindical na reunião.

As previsões
Depois de ouvir as reivindicações dos trabalhadores, o presidente interino informou as dificuldades para atender essa pauta. Segundo ele, o índice previsto para o reajuste é o da Fipe (5,36%). Quanto à vigência de 04 anos, Almir Martins disse que não vê necessidade para isso e que a previsão é de se fechar um Acordo por apenas um ano. Informou ainda que, com relação à rotatividade, não pretende excluir a cláusula do ACT, pelo contrário, quer ampliar o percentual que hoje é de 2,5%.

Já quanto ao início das rodadas, uma provável data apontada pela empresa é a próxima terça-feira (17), pela manhã. Almir Martins ficou de verificar essa possibilidade com as demais entidades sindicais que negociam com a Cesp para depois confirmar a data. Fique ligado!

CS 2014: a mais difícil dos últimos tempos…

Com tudo isso, o Sinergia CUT conclama os trabalhadores da Cesp a se manterem unidos e mobilizados durante todo o processo negocial, tendo em memória esse cenário apresentado pelo presidente interino.

“Vai ser preciso grande disposição de luta da companheirada. Vamos defender nossas reivindicações com toda nossa força. Se for necessário, faremos greve na Cesp. Unidos, sempre! Porque a empresa não dá nada… a gente que conquista”, conclui a direção do Sinergia CUT.

  Categorias: