PLR Elektro: já na oitava rodada, empresa consegue piorar a proposta

22 abril 09:40 2015 Débora Piloni, com informações da Secretaria Geral

Próxima reunião está marcada para o dia 29 de abril

Depois de muita insistência do Sinergia CUT e passados dois meses da sétima rodada com a Elektro, aconteceu no último dia 16 a oitava rodada de negociação da PLR 2015/2016.

E a choradeira começou logo no início da reunião. A empresa discursou sobre as possíveis dificuldades que o setor elétrico poderá enfrentar e o contexto econômico nacional e regional com a retração do mercado consumidor afetando significativamente os resultados da companhia. Destacou ainda que, no seu entendimento, haverá medidas de redução no consumo.

Com isso, a distribuidora ratificou a sua proposta da rodada anterior (de 03 de fevereiro!), substituindo o racionamento de energia por redução da demanda de mercado (ou seja, redução no consumo de energia). Confira a proposta:

– Assinatura de PLR de Gestores para os anos de 2015/2016;

– Assinatura de PLR dos trabalhadores para os anos de 2015/2016;

– 1,5% do resultado de serviço;

– DEC regulatório;

– Disponibilidade de Central de Relacionamento com Cliente – CRC – 93%

– Manutenção do indicador observação de segurança – 10.917

–  PLR 2015: em caso de atendimento das condições descritas do termo aditivo de PLR e, simultaneamente, o resultado de serviço seja inferior a R$ 760 MM, será assegurado esse patamar como base de cálculo para a incidência do percentual de 1,5%. Caso haja redução de demanda de energia fornecida ao mercado da Elektro no ano 2015 com relação ao ano de 2014, haverá uma redução proporcional do montante assegurado, na relação de 4% do montante assegurado frente a 1% da redução da demanda de mercado.

– PLR 2016: em caso de atendimento das condições descritas do termo aditivo de PLR e, simultaneamente, o resultado de serviço seja inferior a R$ 725 MM, será assegurado esse patamar como base de cálculo para a incidência do percentual de 1,5%. Caso haja redução de demanda de energia fornecida ao mercado da Elektro no ano 2016 com relação ao ano de 2015, haverá uma redução proporcional do montante assegurado, na relação de 4% do montante assegurado frente a 1% da redução da demanda de mercado.

Os sindicatos rejeitaram a proposta apresentada referente ao condicionamento da redução do montante mínimo em caso de redução da demanda de energia fornecida. As entidades concordam com o montante da PLR de 2015 e não concordaram com o valor proposto para 2016 (RR 725 MM). “O montante justo para 2016 seria na ordem R$ 740 MM que, na prática, garantiria  90% do valor da PLR 2011”, afirmam.

As entidades sindicais propuseram o aumento no percentual de 1,5% do resultado do serviço, o que asseguraria uma melhora na PLR dos trabalhadores. Foram solicitadas ainda maiores informações e estudos sobre os possíveis impactos no mercado de energia desde que repercutam em resultados positivos na PLR 2015 e 2016.

O Sinergia CUT repudiou a demora de mais de dois meses para a retomada da mesa da PLR, e a apresentação de uma proposta piorada, que tira mais grana dos trabalhadores. “A empresa sequer apresentou um estudo sobre o racionamento de energia conforme combinado na rodada anterior”, observa a direção do Sindicato.

O Sinergia CUT lembrou na mesa que a negociação da data-base está muito próxima e que, logo em julho, deverá ser efetuado o pagamento da 1ª parcela da PLR. A próxima reunião está agendada para 29 de abril. Que haja avanços!

  Categorias: