ELEKTRO/EKCE/EKTTs – assuntos da onda: migração AMHO, banco de horas negativo e comissão paritária

Reunião extensa entre sindicato e empresa trata de temas polêmicos que mexem com o dia a dia dos trabalhadores. Fique informado!

ELEKTRO/EKCE/EKTTs – assuntos da onda: migração AMHO, banco de horas negativo e comissão paritária
02 outubro 08:33 2020 Débora Piloni, com informações da Secretaria Geral
Reunião extensa entre sindicato e empresa trata de temas polêmicos que mexem com o dia a dia dos trabalhadores. Fique informado!

Em reunião entre a Elektro e o Sinergia CUT realizada no último dia 29 de setembro, de forma virtual devido à necessidade de isolamento social por conta da pandemia do Covid-19, foram discutidos assuntos de extrema importância aos trabalhadores: Assistência Médica Hospitalar e Odontológica (AMHO) – apresentação do cronograma de migração e regras do Plano Unimed, Banco de Horas negativo e comissão paritária.

A empresa iniciou a reunião apresentando um cronograma de implementação do plano de saúde e odontológico Bradesco. Nesse cronograma, foram inseridas as etapas de migração que a própria Elektro nominou de “Ondas de Implantação”. Confira:

  • 1ª onda: ocorreu em dezembro de 2019 para os líderes e foi concluída.
  • 2ª onda: ocorreu em junho de 2020 com os trabalhadores ativos em cidades com Rede Bradesco e foi concluída.
  • 3ª onda: está ocorrendo entre setembro e outubro de 2020. Identificação e mapeamento dos casos críticos e/ou crônicos e afastado (em implantação).
  • 4ª onda: também está ocorrendo entre setembro e outubro de 2020. Trabalhadores ativos em cidades com rede Unimed (na Saúde, em andamento; e no Dental, em implantação).
  • 5ª onda: até dezembro de 2020, para Inativos e Agregados (a iniciar).

Olha a onda!

Avaliando cada “onda de implantação”, o Sindicato observa que, a primeira onda, designada aos gestores, que tinham e continuarão tendo planos de AMHO diferenciados dos demais trabalhadores, foi concluída em dezembro de 2019, inclusive com a entrega dos manuais e as carteirinhas físicas do plano de Saúde e Dental Bradesco.

A segunda onda, segundo a empresa, foi concluída em junho de 2020, com os trabalhadores da ativa. Com relação a essa etapa, o Sinergia Campinas fez diversas intervenções durante a reunião.

Vale resgatar que, nas negociações da Campanha Salarial de 2019, o Sindicato sempre demonstrou preocupação para com os trabalhadores e seus dependentes nas mais de 40 cidades que a Elektro mencionou que não teriam plano de Saúde Bradesco (mas que tinham o plano da Funcesp/Unimed) e teriam um sistema de reembolso.  Porém, em junho de 2020, uma surpresa desagradável: a lista das cidades sem o plano de Saúde Bradesco publicada pela Elektro relacionava mais de 90 municípios.

Outro problema referente a essa etapa é com os trabalhadores que trabalham em localidades distantes dos seus dependentes, ocorrendo conflito por não terem a mesma cobertura ou do Bradesco ou da Unimed.

Sendo assim, o Sinergia Campinas, mais uma vez, questionou a empresa sobre o contrato com a Unimed Nacional que existe na Vivest (atual nome da Funcesp) e solicitou a manutenção dos dois planos Bradesco/Unimed para todos os trabalhadores. A Elektro alega que não consegue manter os dois planos por motivo do custo.

Uma outra intervenção feita pelo Sindicato foi com relação às carteirinhas físicas que ainda não foram entregues aos trabalhadores. Foram diversas as cobranças feitas pelo Sinergia Campinas desde junho de 2020 para a disponibilização, com sugestões de segurança devido à pandemia do Covid-19 (envio por drive thru, malote interno, sistema Correios, dentre outras). Isso porque, nem sempre a carteirinha virtual, baixada pelo aplicativo do Bradesco no celular do trabalhador, funciona adequadamente, prejudicando em cheio o usuário na hora de marcar uma consulta ou outros procedimentos.

Quanto a isso, a Elektro informou que somente neste último mês de setembro chegou o segundo lote de carteirinhas e que estão sendo separadas pela contratada para prestação de serviço de saúde e dental.

Outra participação do Sinergia na reunião foi relembrar a empresa que, desde a implantação do plano de saúde “igual ou melhor”, os trabalhadores deveriam continuar com atendimento no laboratório Fleury, mas que isto não ocorreu. Cobramos também um plano dental que tenha uma opção de implante dentário, desejo de muitos dos trabalhadores.

Quanto à terceira onda, a Elektro informou que está na fase de implantação, desde o último mês de setembro e até este mês de outubro e que identificou 304 casos críticos e/ou crônicos de trabalhadores em atividade (titulares e seus dependentes). Informou também que, no período de 05 a 16/10/2020, entrará em contato individual e por telefone (Equipe de Saúde Ocupacional) com os trabalhadores titulares, para informar sobre a migração dos planos de saúde e dental Bradesco.

Sobre a quarta onda, referente aos trabalhadores ativos em cidades com rede Unimed, a Elektro afirmou que também, entre setembro e outubro de 2020, está em andamento o plano de Saúde.  Já o plano Dental está em implantação e a empresa entrará em contato individual com os trabalhadores para informá-los sobre a migração para o plano Dental Bradesco no período de 29/09 a 02/10.

Atenção aos prazos!

O Sinergia Campinas alerta a todos os trabalhadores para que fiquem atentos aos prazos. O Sindicato também interviu neste ponto, questionando sobre como e quando os trabalhadores podem optar, caso queiram, pelo plano Dental Top Premium no valor de R$22,00 por vida, com mais benefícios próprio e para os seus dependentes.

A Elektro respondeu que vai disponibilizar um formulário na intranet para quem quiser aderir, porém, quem assim fizer até 15/10/2020 será incluído em novembro, já quem aderir entre 16/10 a 30/10 será incluído no plano em dezembro e o prazo final de adesão no plano Dental Top Premium é até 30/10/2020.

Após esse período o trabalhador somente poderá optar por este plano no mês de julho de cada ano, porque é o mês que a empresa renova este contrato com a operadora. Caso o trabalhador titular optar por este plano Dental, terá que incluir também todos seus dependentes e o prazo para sair do plano é, no mínimo, de 2 anos.

A Elektro também informou que se encerrou no dia 30 de setembro o contrato com o plano Dental da Porto Seguro. Muitos trabalhadores lembram que, na época da contratação deste plano, foi amplamente divulgado pela empresa como um ótimo plano dental que atenderia às reivindicações dos trabalhadores, e que foi uma opção da empresa em vez de colocar mais recursos no plano dental da Funcesp (atual Vivest).

Quanto à quinta onda, a Elektro informou que será implementada até dezembro próximo (2020), para Inativos e Agregados (a iniciar). Solicitou ajuda das entidades sindicais na comunicação com os aposentados para manter atualizados os seus cadastros no site da Vivest, tendo em vista que será essencial para comunicação da migração do plano para os aposentados.

O Sinergia Campinas interviu mais uma vez, lembrando que os aposentados não terão a opção de entrar no novo plano e que, em junho, no início da migração dos ativos, a central de atendimento da Funcesp (agora Vivest) foi contactada por centenas de aposentados seletivos para dúvidas, porém, como a Elektro não havia oficializado a saída do plano de Saúde, isso causou um grande transtorno de desinformação.

Então, o Sindicato sugeriu à empresa que elabore um plano de ação junto à Vivest para a ampla divulgação da importância da atualização desses cadastros.

Comissão Paritária Permanente de Saúde

Outro ponto importante da reunião do último dia 29 de setembro foi a questão da Comissão Paritária Permanente de Saúde. Após diversas cobranças feitas pelo Sinergia Campinas, inclusive documentadas por carta para o cumprimento do que foi acordado na Campanha Salarial de 2019 quanto a cláusula 22ª, a Elektro reafirmou o compromisso assumido em relação a essa questão.

Ficou então garantido o texto do parágrafo 7º da referida cláusula: “Será criada uma comissão paritária permanente, por prazo indeterminado, composta por representantes indicados pelas Empresas, Sindicato e operadoras, para acompanhar e propor melhorias antes, durante e após a implantação do novo Plano de Saúde e Odontológico Bradesco/Unimed, excluídas as questões operacionais de responsabilidade da área de Recursos Humanos.”

Em resposta à carta, a Elektro reafirmou na reunião de hoje que:

…fica estabelecido a constituição da Comissão paritária do Plano de Saúde, que será composta por 06 (seis) membros, sendo 03 (três) indicados pelas entidades representativas dos empregados da Elektro e 03(três) indicados ela Empresa, onde um será representante também do Plano de Saúde Bradesco/Willis. Após definição dos representantes que ocuparão estes cargos, a Empresa irá convidar a todos para uma reunião inaugural de alinhamento e definição de atividades. Diante dos esclarecimentos feitos ao longo da presente, solicitamos desta i. entidade apresente os nomes dos 3 (três) representantes indicados para providencias até o dia 02/10/2020.”

O Sinergia Campinas destaca que concorda com a proposta enviada e que está estabelecida no ACT. Porém, chama a atenção para alguns detalhes: a citada cláusula exige a representação das Operadoras (Bradesco e Unimed); o Sindicato solicita  esclarecimentos das Empresas sobre sua correspondência enviada em 28/09/2020, que cita apenas um representante do Plano de Saúde Bradesco/Wilis; referente à inclusão dos demais sindicatos na Comissão, apesar de não possuírem esta garantia nos respectivos Acordos Coletivos de Trabalho, o Sinergia Campinas não se opõe desde que seja respeitada a paridade entre este Sindicato e as Empresas; e informa que indicará os três nomes até o dia 01 de outubro.

Banco de Horas Negativo

O último ponto de pauta tradado nesta reunião foi sobre o Banco de Horas – saldo negativo. A Elektro informou aos Sindicatos que, em relação ao banco de horas negativo, por uma questão de impedimento no sistema do E-Social ainda não conseguiu zerar o banco de horas negativo nos parâmetros já sinalizados, mas que continua nas tratativas para zerar todo o saldo negativo e passar a acompanhar o banco com base nas premissas do ACT. Destacou que o compromisso firmado era o perdão do saldo negativo relativo ao ano de 2019, porém, devido à pandemia e o impedimento em fechar o assunto anteriormente, propõe perdoar todas as horas negativas referentes aos anos 2019 e 2020.

O Sinergia Campinas solicitou uma apresentação mais detalhada sobre tema para melhor entendimento da questão que, à primeira vista, parece ser muito bom. Após avaliação do assunto com mais profundidade, responderá para as empresas. A Elektro se comprometeu a enviar os documentos até o final desta semana.

Fique ligado! A saída da crise é coletiva! O Sindicato é seu parceiro nessa luta!

Por Débora Piloni, com informações da Secretaria Geral 

______________________________________________________________________________________________________

Leia mais:
  Categorias: