Cinco maiores estatais demitiram 25% dos trabalhadores desde o golpe contra Dilma

Estatais, como Petrobras e Banco do Brasil demitiram 111 mil trabalhadores e trabalhadoras

Cinco maiores estatais demitiram 25% dos trabalhadores desde o golpe contra Dilma
29 junho 10:57 2021 Redação CUT

Escrito por: Redação CUT

As cinco grandes estatais federais do país — Banco do Brasil, Correios, Caixa, Petrobras e Eletrobras — demitiram mais de 111 mil trabalhadores e trabalhadoras entre o início de 2015, quando estava em andamento o golpe que destituiu a presidenta Dilma Rousseff, e março deste ano. Como a direção da CUT sempre disse, golpe foi contra os trabalhadores, as trabalhadoras e o Brasil.

As empresas que mais reduziram o quadro de trabalhadores foram a Eletrobras (-45,8%) — que acaba de ser privatizada pelo governo de Jair Bolsonaro (ex-PSL) — e a Petrobras (-42%), que vendeu a Refinaria Landulpho Alves (RLAM) e segundo a Agência EPBR, de jornalismo e política energética, está ‘ofertando’ mais de uma centena de campos de petróleo localizados em terra nos estados do Amazonas, Rio Grande do Norte, Bahia, Ceará, Espírito Santo e Alagoas. 

De acordo com reportagem de Glauce Cavalcanti, Carolina Nalin e Gabriela Medeiros, do jornal O Globo, os dados sobres os desligamentos são do Panorama das Estatais, do Ministério da Economia.

Segundo a reportagem, esse encolhimento é puxado por uma combinação de fatores, que vão da orientação para redução do tamanho do Estado desde o governo Michel Temer (MDB-SP) até o agravamento da crise econômica nos dias atuais, que impacta a capacidade de investimento das empresas e leva o governo a recorrer à venda de estatais para equilibrar as contas públicas.

Mas, antes da pandemia do novo coronavírus agravar a crise, o projeto do governo de Jair Bolsonaro (ex-PSL) já era vender o patrimônio do povo brasileiro, independentemente dos prejuízos que isso significa para o país e para o povo.

Em entrevizta dada ao PortalCUT no fim do ano passado, o petroleiro Roni Barbosa, secretário de Comunicação da Central, disse que a Petrobras havia demitido até o mês de outubro cerca de 20 mil trabalhadores próprios e outros 200 mil terceirizados e que essas baixas provocam um apagão de conhecimento.

“As demissões geram um apagão de conhecimento extremamente danoso para o processo produtivo, para o repasse das informações dos mais antigos para os mais novos”.

E o custo para a população é alto, disse Roni, lembrando que esse “apagão” de pessoal na Petrobras aconteceu na década de 1990, quando a estatal ficou quase dez anos sem fazer concurso público, durante o governo de Fernando Henrique Cardoso (PSDB), e as consequências foram trágicas.

O engenheiro e diretor da Associação dos Empregados de Furnas (ASEF),  holding do Sistema Eletrobras, Felipe Araújo, concorda com a avaliação de Roni e acrescenta que o que está por trás dessas demissões são os projetos privatistas do governo que demite os profissionais mais experientes, não faz concursos e derruba a qualidade do serviço prestado à população, tanto pela falta de equipes como pelo fim da expertise e do conhecimento que os mais velhos levam embora.

Com um serviço ruim, a população começa a reclamar e apoiar a venda dessas empresas, acreditando que a responsabilidade é do trabalhador e da trabalhadora e não do governo federal que não oferece apoio material e pessoal, para melhorar a qualidade dos serviços prestados, complementa o engenheiro.

Leia mais: Bolsonaro demite trabalhador experiente e sucateia estatais para vender barato 

Os representantes dos bancários também afirmam que as demissões afetam as operações das instituições financeiras e o dia a dia dos trabalhadores que permanecem nelas.

Segundo dados do Departamento Intersindical de Estatísticas  e Estudos Socioeconômicos (Dieese) só entre o quarto trimestre de 2019 e março de 2021, o Banco do Brasil demitiu 5.314 trabalhadores.

De 2015 até hoje, o BB fechou 21.315 postos de trabalho, segundo a presidenta da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf), Juvandia Moreira. “Você vê a sobrecarga de trabalho acontecer depois desses programas de demissão voluntária”, disse a dirigente ao Globo.

________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Dilmatrabalhadoresestataisdemissãogolpe

  Categorias: