CUT exige liberdade para Paulo Lima, o Galo, e Géssica Barbosa

Por meio de nota, direção da Central diz que “basta de homenagens a torturadores, estupradores e assassinos!”

CUT exige liberdade para Paulo Lima, o Galo, e Géssica Barbosa
30 julho 10:07 2021 Redação CUT

Por meio de nota, direção da Central diz que “basta de homenagens a torturadores, estupradores e assassinos!”

 Escrito por: Redação CUT 

A Central Única dos Trabalhadores (CUT) manifesta total solidariedade a Paulo Lima, o Galo, Géssica Barbosa e Danilo Oliveira, o Biu que sofreram prisão arbitrária. Nenhum cidadão ou cidadã pode ficar preso sem julgamento, nem mesmo no Brasil sob um governo federal autoritário, conforme decisão do Supremo Tribunal Federal (STF). Danilo está livre, mas Paulo e Géssica seguem presos.

Nos causa a mais profunda indignação ver trabalhadores e trabalhadoras serem presos e criminalizados como Géssica, que comprovadamente não teve participação no ato que levou à prisão arbitrária dela, não estava no local e, mesmo assim, foi presa injustamente.

O fogo ateado à estátua do criminoso e defensor de escravização de índios e negros, Manuel de Borba Gato, se caracteriza como parte de uma onda de protestos em todo o mundo (EUA, Canadá, Inglaterra, Chile, Colômbia, Venezuela, Peru) contra a idolatria de símbolos e personagens históricos marcados por comportamento violento, agressivo, intolerante e pela responsabilidade e/ou cumplicidade comprovada no assassinato, escravização e morte de milhares de seres humanos.

Entre 2017 e 2020, em vários estados dos EUA, aconteceram ações como essa, contra estátuas de senhores e comerciantes de escravos,e políticos defensores da escravidão, conhecidos pela prática de estupro, tortura e assassinato. Não vimos a mídia comercial brasileira qualificar de “terrorismo” ou “vandalismo” essas ações do povo norte-americano.

Borba Gato figura entre esses personagens nefastos da história brasileira. Não foi um herói, não defendeu nosso povo contra o colonialismo, não lutou para libertar os escravizados ou para interromper o genocídio dos povos originários. Abriu com sangue de índios e negros caminhos país adentro para fazer riqueza.

Na Câmara Municipal de São Paulo, várias foram, nos últimos anos, as tentativas e propostas, até mesmo de parlamentares, para a remoção de monumentos como a estátua de Borba Gato e a mudança de nomes de ruas e avenidas, mas uma maioria conservadora sempre impediu que essa justa revisão e reparação histórica fosse concretizada.

Exigimos a liberdade imediata de Paulo Galo e Géssica e que tenham todos os seus direitos respeitados e convocamos as organizações da classe trabalhadora brasileira para construir um forte movimento de solidariedade para impedir qualquer injustiça nesse processo.

LIBERDADE PARA PAULO GALO E GÉSSICA!

Sergio Nobre – Presidente Nacional da CUT

Jandyra Uehara Alves – Secretária Nacional de Políticas Sociais e Direitos Humanos

Paulo GaloGéssicanota da CUTliberdadetrabalhadores

  Categorias: