Em ação

Neste sábado (28) tem esquenta para o ‘Fora, Bolsonaro’ do dia 7

Atividades serão realizadas em todo o país com panfletagem e diálogo com a população em comunidades e locais de grande circulação, convocando para os atos #ForaBolsonaro de 7 de setembro

Neste sábado (28) tem esquenta para o ‘Fora, Bolsonaro’ do dia 7
25 agosto 16:13 2021 Andre Accarini | CUT

A CUT, as demais centrais sindicais e os movimentos sociais que fazem parte da Campanha ‘Fora, Bolsonaro’ realizam, neste sábado, 28 de agosto, atividades em todo o Brasil para convocar a população para as  manifestações de 7 de setembro, dia em que será realizado o 5° Ato Nacional #ForaBolsonaro, que ocupará mais uma vez as ruas de todo o país. Na mesma data será realizado o Grito dos Excluídos, tradicional manifestação nacional realizada todos os anos pelos movimentos sociais.

28 de agosto é dia de esquenta para o #ForaBolsonaro

O “Mutirão Nacional Fora Bolsonaro”, que será realizado neste sábado, é um esquenta para o 7 de setembro. Militantes, trabalhadores e sindicalistas irão às ruas dialogar com a população sobre o trágico cenário econômico e social atual e distribuir um panfleto que lista 10 dos muitos motivos para tirar Jair Bolsonaro (ex-PSL) da Presidência da República.  

Intitulado “O Brasil não te aguenta mais”, o material já circula pelas ruas e redes sociais desde o dia 18 de Agosto, data em que foram realizadas manifestações em apoio à greve de servidores públicos contra a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) nº 32, da reforma Administrativa.

Leia Mais : 10 motivos para tirar Bolsonaro da Presidência da República

Durante as atividades, os manifestantes irão a locais de grande circulação por todo o país para conversar com a população sobre os incontáveis retrocessos sociais, como o fim ou a redução de investimentos em programas como o Minha Casa Minha Vida; ataques a direitos trabalhistas, como os previstos na Medida Provisória (MP) 1045, que acaba com férias, 13º salário e Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS); e caos econômico, com disparada da inflação e recordes de desemprego.Tudo isso é obra de Bolsonaro ou está ocorrendo porque ele nada fez para resolver os problemas como são os casos da inflação e do desemprego.

Segundo o coordenador da Central de Movimentos Populares (CMP), Raimundo Bonfim, os mais diversos movimentos sociais, como MST, MTST, estarão em diversos pontos das cidades para a panfletagem.

“As entidades não estarão todas em um mesmo local. Será um movimento espalhado pelos mais diversos locais”, diz Raimundo, explicando que os movimentos irão às comunidades, aos centros das cidades e também em locais de circulação com terminais de transporte público.

O secretário de Comunicação da CUT, Roni Barbosa, reforça a importância de o conteúdo do panfleto chegar ao domínio da população brasileira.

“Motivos não faltam para gritarmos ‘fora, Bolsonaro’. Vivemos hoje o maior retrocesso social da história, com um governo que não tem e nunca teve projeto para o desenvolvimento. O resultado é a tragédia que passamos, com muita gente sem emprego, sem renda, sem dinheiro para sequer comprar comida e sobreviver”, diz o dirigente.

O panfleto, ele diz, traz “na ponta da língua”, a explicação sobre os ataques de Bolsonaro ao povo brasileiro e deixam clara a necessidade de protestar contra o governo. “São fatos, verdades sobre o Brasil que mostram a urgência em acabar com esse governo”.

Roni Barbosa ressalta ainda que a ação deve ser reforçada nas redes sociais, com o compartilhamento do material.

“Sabemos que o mundo virtual tem grande influência no mundo real. Por isso, é fundamental também a mobilização nas redes. Twitter, Facebook, Instagram, até mesmo o WhatsApp – precisamos usar todos os meios para nos mobilizarmos pelo Fora Bolsonaro”, conclui o secretário.

O panfleto

Com linguagem simples e direta, o panfleto, elaborado pela Campanha Nacional ‘Fora, Bolsonaro’, da qual a CUT faz parte, tem o objetivo de dialogar com a população sobre as principais razões que fazem do governo Bolsonaro um governo insustentável.

Os 10 motivos listados dialogam diretamente com a destruição dos serviços públicos pretendida por Bolsonaro e seu ministro da Economia Paulo Guedes. Mas também citam problemas graves enfrentados pelo país, causados e agravados pela condução política de Bolsonaro, como o negacionismo para lidar com a pandemia do novo coronavírus, o desemprego, a fome, a míséria e a carestia.

Baixe o panfleto aqui 

Ato em São Paulo

Em São Paulo, além das ações do mutirão, será realizado também um ato na Praça da República, às 10h. O “Mil Vozes de Sampa” terá a participação do trompetista Fabiano Leitão, conhecido por suas intervenções tocando músicas que marcaram a trajetória do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva, como “Olé, Olá, Lula”. 

O ato político-cultural  – uma luta contra o governo genocida e luta também daqueles que desejam a volta de um governo popular e democrático – será a versão paulistana do Coral das Mil Vozes, realizado em Belo Horizonte, pelo Coletivo Alvorada. Este mesmo ato acontece também no Rio de Janeiro, no domingo (29).

Edição: Marize Muniz

Escrito por: Andre Accarini | CUT

  Categorias: