Passeata virtual

Entidades colhem relatos de infâncias violadas por abuso sexual

Neste 18 de maio, dia nacional de combate ao abuso e à exploração sexual de crianças e adolescentes, organizações convocam a população a denunciar o crime. Apenas 10% dos casos chegam às autoridades

Kennet Anderson/Brasil de Fato RN

Júlia Pereira | Rádio Brasil Atual

São Paulo – Denunciar os casos de abuso e violência sexual sofridos na infância e na adolescência dos adultos de hoje. Esse é o intuito da campanha “Agora Você Sabe”, promovida pelo Instituto Liberta. A iniciativa pretende reunir vídeos de um milhão de pessoas maiores de 18 anos que foram vítimas de violência sexual enquanto eram crianças ou adolescentes. Os vídeos serão reunidos em uma passeata virtual que será transmitida pelo site da campanha nesta quarta-feira, 18 de maio, Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes. 

Presidenta do Instituto Liberta, Luciana Temer, explica que o intuito da campanha é quebrar o silêncio sobre um crime que, em 67% dos casos, acontece dentro da casa da própria vítima. De acordo com ela, a iniciativa é um convite para os adultos, maiores de 18 anos, que sofreram qualquer tipo de violência sexual na infância entrarem no site e gravarem um vídeo dizendo “violência sexual contra crianças e adolescentes é uma realidade. Eu fui vítima. E agora você sabe”.

“A ideia do ‘Agora Você Sabe’ é realmente juntar pessoas adultas que estão fortalecidas e que têm condições hoje de assumir que sofreram uma violência para que a gente seja a última geração que se calou diante de uma violência sexual e para começar a enfrentar esse problema que hoje ainda vive debaixo do tapete. E vive embaixo do tapete porque há um outro dado importante que mostra que 67%, de todas as violências sexuais contra crianças e adolescentes, acontecem dentro de casa. E 86% delas são praticadas por pessoas muito próximas, normalmente relações intrafamiliares. Daí o imenso silenciamento em relação a essa violência”, observa Luciana. 

Dados alarmantes

No ano passado, o Disque 100 recebeu mais de 100 mil denúncias de violações cometidas contra crianças e adolescentes. Ao menos 18,6% delas eram sobre violência sexual. As meninas são as maiores vítimas. A cada hora, quatro menos de 13 anos são estupradas no Brasil, segundo estatísticas do Fórum Brasileiro de Segurança Pública. 

Apesar dos altos números, a subnotificação também é grande. Já que estimativas apontam que apenas 10% dos casos de abuso e violência sexual são, de fato, denunciados às autoridades. Esse é o cenário que a campanha “Faça Bonito” denuncia há 22 anos por meio de mobilização voltada à conscientização da sociedade sobre o assunto. 

A coordenadora jurídica Ana Cláudia Cifali, do Instituto Alana, uma das organizações que integram a campanha, destaca que o caminho para solucionar o problema passa por ações de comunicação, até a educação sexual nas escolas e o fortalecimento de políticas públicas. “A sociedade precisa ter conhecimento da gravidade dessa situação e fazer esse exercício de não se silenciar sobre essas violações”, garante.

Como denunciar

“Precisamos de investimentos nessas políticas públicas, especialmente de prevenção para que principalmente as crianças e adolescentes tenham acesso a informações sobre como se proteger, educação sexual, consentimento e sobre estabelecer limites. Uma informação que também informe os canais de denúncia. Ou seja, a gente ainda precisa fortalecer todos esses espaços para que todos tenham informações de como denunciar. Todos têm essa responsabilidade de denunciar quando tomarmos conhecimento de algum caso ou suspeita de alguma violação do direito de crianças e adolescentes, especialmente a violência sexual que é tão grave e deixa efeitos para a vida inteira”, adverte a coordenadora jurídica.

Caso você suspeite, presencie ou testemunhe uma situação de violência contra crianças e adolescentes, denuncie pelo 180, pelo 190 ou pelo Disque 100. Todas as denúncias são anônimas. 

Confira a reportagem

Por Júlia Pereira | Rádio Brasil Atual