Variante Delta

Enquanto o mundo avança em testes de covid, Brasil patina sem um plano

Realização de testes é fundamental para enfrentar a variante Delta. “Infelizmente é um tema que o Ministério da Saúde nem fala mais, como se outras medidas sanitárias não fossem necessárias”, contesta o epidemiologista Pedro Hallal

Enquanto o mundo avança em testes de covid, Brasil patina sem um plano
06 agosto 14:55 2021 Clara Assunção, com edição de Helder Lima, da RBA

Realização de testes é fundamental para enfrentar a variante Delta. “Infelizmente é um tema que o Ministério da Saúde nem fala mais, como se outras medidas sanitárias não fossem necessárias”, contesta o epidemiologista Pedro Hallal

São Paulo – Principal fator de risco que pode novamente mergulhar o Brasil em uma nova onda de casos de covid-19, a variante delta do coronavírus, que já circula pelo país, pode ser também a nova cepa dominante. Mas o Brasil ainda não tem dimensão do problema, porque não tem testes de covid em nível nacional. A avaliação é do epidemiologista Pedro Hallal, professor na Universidade Federal de Pelotas (UFPel), que alerta quanto ao risco de que a delta tenha se tornando ainda mais predominante do que a variante gama, também chamada de P.1. 

Nesta semana, o governo do Rio de Janeiro confirmou a identificação de 203 casos de covid em decorrência da variante delta em amostras coletadas. O resultado embasou um pedido de carga suplementar de vacinas ao Ministério da Saúde para tentar conter a variante. Em carta, o Fórum Nacional de Governadores declarou querer evitar “uma catástrofe de proporções ainda mais graves em futuro próximo”.

0 1 https://googleads.g.doubleclick.net/pagead/ads?client=ca-pub-2156703359938643&output=html&h=280&slotname=4119717339&adk=3767944632&adf=1549685194&pi=t.ma~as.4119717339&w=779&fwrn=4&fwrnh=100&lmt=1628270306&rafmt=1&psa=1&format=779×280&url=https%3A%2F%2Fwww.redebrasilatual.com.br%2Fsaude-e-ciencia%2F2021%2F08%2Fenquanto-o-mundo-avanca-em-testes-de-covid-brasil-patina-sem-um-plano%2F&flash=0&fwr=0&fwrattr=true&rpe=1&resp_fmts=3&wgl=1&adsid=ChAI8LuziAYQlfb-1oTdlelpEj0AziF01cxC4d0oR02gL5Z7nkzNaOi-vAsbN-Hb2dOaiyWPpHiQU4nF6YqTeJlMvq889IwnEe43h01KnPJn&dt=1628271802443&bpp=15&bdt=2570&idt=2743&shv=r20210803&mjsv=m202108060101&ptt=9&saldr=aa&abxe=1&cookie=ID%3Db71693c962d40b77-2267810a98ba00c9%3AT%3D1628271645%3ART%3D1628271645%3AS%3DALNI_MYKATRt08xIl7V-SyPjvK-P26O5kA&prev_fmts=1200×280&correlator=874364565392&frm=20&pv=1&ga_vid=1860201831.1628271645&ga_sid=1628271804&ga_hid=147607809&ga_fc=0&u_tz=-180&u_his=1&u_java=0&u_h=900&u_w=1440&u_ah=860&u_aw=1440&u_cd=24&u_nplug=0&u_nmime=0&adx=135&ady=1687&biw=1423&bih=747&scr_x=0&scr_y=0&eid=42530671%2C20211866%2C31062064&oid=3&pvsid=3387732952616357&pem=787&ref=https%3A%2F%2Fwww.redebrasilatual.com.br%2Fpolitica%2F2021%2F08%2Fprivatizacao-dos-correios-fere-a-constituicao-e-oposicao-vai-a-justica%2F&eae=0&fc=896&brdim=-8%2C-8%2C-8%2C-8%2C1440%2C0%2C1456%2C876%2C1440%2C747&vis=1&rsz=%7C%7CpeEbr%7C&abl=CS&pfx=0&fu=128&bc=31&ifi=2&uci=a!2&btvi=1&fsb=1&xpc=F0QCgxITgo&p=https%3A//www.redebrasilatual.com.br&dtd=2772

São Paulo – Principal fator de risco que pode novamente mergulhar o Brasil em uma nova onda de casos de covid-19, a variante delta do coronavírus, que já circula pelo país, pode ser também a nova cepa dominante. Mas o Brasil ainda não tem dimensão do problema, porque não tem testes de covid em nível nacional. A avaliação é do epidemiologista Pedro Hallal, professor na Universidade Federal de Pelotas (UFPel), que alerta quanto ao risco de que a delta tenha se tornando ainda mais predominante do que a variante gama, também chamada de P.1. 

Nesta semana, o governo do Rio de Janeiro confirmou a identificação de 203 casos de covid em decorrência da variante delta em amostras coletadas. O resultado embasou um pedido de carga suplementar de vacinas ao Ministério da Saúde para tentar conter a variante. Em carta, o Fórum Nacional de Governadores declarou querer evitar “uma catástrofe de proporções ainda mais graves em futuro próximo”.

“Esse é um problema que venho alertando desde o começo da pandemia, um país que não testa ele acaba ficando sabendo das coisas por último. E aí quando a gente detecta os casos da delta é porque ela já está amplamente disseminada”, observa o epidemiologista em entrevista à Marilu Cabañas na edição desta sexta-feira (6) do Jornal Brasil Atual. Hallal compara a atuação do Brasil com outros países nos quais a variante delta também está se disseminando. Entre eles, China, Austrália e Vietnã, exemplos no combate à pandemia, e que novamente estão adotando o lockdown em função do contágio pela nova cepa. 

Saúde não fala mais de testagem

“Eles, ao invés de lidar com uma estratégia de conviver com o vírus, lidam com uma estratégia de lutar contra o vírus e impedir que ele aconteça. Algo muito mais inteligente e bem elaborado”. O epidemiologista cita o caso da cidade chinesa Wuhan, onde as primeiros infecções pelo coronavírus foram registradas. Após sete casos da doença confirmados, o governo municipal anunciou na terça (3) que fará testes de covid em toda a sua população de 11 milhões de habitantes. 

“Quem leva a testagem a sério colhe bons resultados. A gente diz isso desde o primeiro dia da pandemia e infelizmente é um tema que não se fala mais. O ministério da Saúde nem fala mais sobre testes de covid. O ministro (Marcelo Queiroga) viu que a única coisa que ele conseguiu implementar foi a vacinação, então, ele só fala da vacinação, como se as outras medidas sanitárias não fossem necessárias”, critica. 

Além de autoridades sanitárias, o governo de Jair Bolsonaro é cobrado por um plano nacional de testagem em massa também pelo Tribunal de Contas da União (TCU). Desde abril o órgão aponta que a gestão federal “não tem nenhuma estratégia para distribuição de testes a estados e municípios”.

A realidade das flexibilizações

A falta de controle ainda se agrava em meio ao contexto de flexibilização das restrições já anunciadas em alguns estados. O governo de São Paulo divulgou nesta semana, por exemplo, que a partir de 17 de agosto estarão liberados eventos sociais e feiras corporativas, desde que ocorra controle de público, protocolos de saúde e higiene sejam seguidos e não tenha aglomerações. 

“Mas o problema é aquela brincadeirinha que todo mundo faz nas redes sociais, de expectativa e realidade”, adverte Hallal. “Infelizmente a experiência mostra que muitas vezes a realidade é muito diferente da expectativa especialmente no caso dessas aglomerações. No Rio Grande do Sul, vemos também uma mudança nos protocolos com maior protagonismo dos prefeitos. E a expectativa era que, como os prefeitos estão mais próximos dos problemas, eles serão mais ágeis em impor restrições quando necessário. A realidade é  que os prefeitos estão mais próximos das pessoas que os pressionam para abrir cada vez mais. Então expectativa é realidade é um problema nessa questão das flexibilizações e restrições”, finaliza o epidemiologista e professor. 

Por Clara Assunção, com edição de Helder Lima, da RBA

  Categorias: