Locaute: Donos de transportadoras de combustíveis param entregas contra altos preços

Paralisação patronal é contra reajustes abusivos de preços do diesel, gás de cozinha e gasolina. No dia 1º de novembro, caminhoneiros devem fazer greve contra os reajustes e outras reivindicções da categoria

Locaute: Donos de transportadoras de combustíveis param entregas contra altos preços
21 outubro 12:22 2021 Redação CUT

Escrito por: Redação CUT

Empresários do setor de transportes estão parando as atividades em cerca de 300 companhias do setor desde a meia noite desta quinta-feira (21) contra as altas nos preços dos combustíveis. Eles reivindicam a redução dos preços do diesel, gás de cozinha, gasolina e outros derivados do petróleo.

locaute, paralisação do trabalho ordenada pelo próprio empregador, acontece dias antes da greve dos caminhoneiros que prometem paralisar as atividades a partir do dia 1º de novembro.  

A pauta de reivindicações dos trabalhadores, além da redução da revisão da política de preços dos combustíveis da Petrobras, exige um valor mínimo de frete e a melhoria e construção de novos pontos de descanso para a categoria, entre outros pontos.

Caminhoneiros de várias regiões do país estão enviando vídeos para a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transportes e Logística (CNTTL) manifestando adesão à paralisação. Confira aqui.

Onde tem locaute

Em Minas Gerais, um dos seis estados onde os empresários afirmaram que iam paralisar as entregas de combustiveis, transportadores pararam na madrugada desta quinta. A expectativa é que a paralisação dure 24 horas.

Dois caixões e faixas foram colocados em frente à distribuidora da petroleira em Betim, na região metropolitana. Os manifestantes também fazem atos na porta das principais centrais de distribuição.

Os empresários, que também protestam contra a alta nos preços dos combustiveis, dizem que as atividades de entrega também estão ocorrendo nos estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Espírito Santo, Goiás e parte da Bahia.

No Rio de Janeiro, 1.500 caminhões tanques devem parar, os trabalhadores farão protestos na base de combustíveis de Campos Elíseos, próxima à Refinaria de Duque de Caxias (Reduc), segundo o Poder360.

Em São Paulo,  manifestações de trabalhadores devem ocorrer nas proximidades da Refinaria de Paulínea (Replan) e no Porto de Santos.

Ao Poder 360, Ailton Gomes, presidente da Associação das Transportadoras de Combustíveis e Derivados do Petróleo do Rio de Janeiro (Associtanque), disse que os caminhões tanques ficarão estacionados nas garagens das empresas.

“Essa paralisação vai ser o estopim dos protestos contra os reajustes dos preços dos combustíveis. Ninguém suporta mais”, disse Gomes.

“As empresas estão com acumulando prejuízos e falindo, e os preços dos alimentos continuam aumentando por causa do encarecimento do transporte”, completou.

Os empresários querem redução no ICMS e do PIS/Cofins sobre os combustíveis. Projeto de lei complementar que limita as alíquotas do tributo estadual foi aprovado pela Câmara dos Deputados e encaminhado ao Senado. O tributo federal sobre esses produtos continua intocado. “Os governos federal e estadual jogam um para o outro a responsabilidade pelos preços altos. Quero saber quem vai resolver o problema”, disse Gomes. “Toda a Nação está clamando por isso.”

Culpa dos aumentos não é do ICMS

Assim como o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), que trabalhou para aprovar apressadamente uma lei que muda a cobrança do Imposto de Circulação de Mercadorias (ICMS) dos combustíveis, os empresários atiram no alvo errado, aderindo aos discursos do presidente Jair Bolsonaro (ex-PSL) contra os governadores.

O ICMS não é o culpado pelos aumentos abusivos nos preços dos combustíveis. A culpa pelos reajustes é da política de Preço de Paridade de Importação (PPI) da Petrobras, atrelada ao valor internacional do petróleo e a variação do dólar. Há meses, Bolsonaro vem culpando os governadores, mas  o ICMS não é reajustado há anos.

Os culpados são ele e o ilegítimo Michel Temer (MDB-SP). Temer porque adotou a PPI e Bolsonaro porque manteve a política de preços adotada depois do golpe de 2016, que destituiu a presidenta Dilma Rousseff.

Leia mais: Entenda por que Bolsonaro e Temer são os culpados pela alta dos combustíveis

 transportadoreslocautepreços combustíveis

  Categorias: